DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, LETRAMENTO ACADÊMICO E SUBJETIVAÇÃO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR INCLUSIVA

Autores

  • Silvia Rocha UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
  • Micaelle Nascimento PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINA GRANDE

Palavras-chave:

Deficiência intelectual, Letramento acadêmico e subjetivação/subjetividade.

Resumo

Este artigo objetiva compreender as manifestações do letramento acadêmico na constituição de um
sujeito em situação de deficiência intelectual que concluiu, com êxito, a Educação Superior na perspectiva
da Educação Inclusiva. Especificamente analisamos a ressignificação de subjetividades em um discurso
produzido por Luana Dallacorte em um vídeo, disponibilizado nas redes sociais, em que discorre sobre sua
trajetória social e escolar focalizando o letramento acadêmico quando de sua vivência no Curso Superior
de Fisioterapia. A apreciação nos indica que os ganhos obtidos na educação superior inclusiva, em meio
aos árduos desafios enfrentados por ela, parecem ampliar as suas possibilidades de vida e afirmação social.
As manifestações do letramento acadêmico podem ser vistas no reposicionamento social do sujeito, a
exemplo do empoderamento de estar se construindo uma profissional, tendo alternado o lugar inferiorizado
– de ajudado - ao de ajudador/protagonista com ações prospectivas. Por fim, tal empoderamento afirma a
condição de intelectual orgânico por Luana junto ao coletivo de sujeitos em situação de deficiência intelectual.

Biografia do Autor

Silvia Rocha, UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (2002). Atualmente é professora titular
da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG/Brasil.

Micaelle Nascimento, PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINA GRANDE

Secretaria Municipal de Educação de Campina Grande e Pocinhos – PB.

Publicado

2020-01-23