REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI <p>A Revista recebe e publica textos na forma de <strong>artigos, resenhas, notas, traduções e entrevistas, dossiês, </strong><strong>entre outros</strong>, de autores/as brasileiros/as e estrangeiros/as, que tratem de temas preferencialmente no campo das pesquisas em Filosofia e Educação e suas interfaces. As principais temáticas da Revista são: <strong>Ensino de Filosofia, Marxismo e Educação,</strong><strong> Políticas Educacionais Contemporâneas, </strong><strong>Filosofias </strong><strong>Africanas, </strong><strong>Descolonização </strong><strong>Curricular/</strong><strong>Decolonialidades, </strong><strong>Filosofia brasileira</strong><strong>/Latino-Americanas e </strong><strong>Filósofas </strong><strong>Contemporâneas.</strong></p> Universidade Estadual da PAraíba pt-BR REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES 2675-5696 EDITORIAL http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/371 <p>Chegamos ao número 2, volume 1 da Revista LibertAção. No contexto da pandemia<br>do Covid-19, do desmonte do Estado Brasileiro, das diversas formas de expressão de ódio<br>veiculadas diariamente em diferentes espaços, seguimos nas diversas tentativas de cumprir<br>nossos compromissos assumidos aqui nessa revista. Em tempos de Ensino Remoto, de<br>distanciamento social, vamos fortalecendo os diálogos e a esperança de dias melhores num<br>futuro próximo e promissor.</p> Valmir Pereira Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-24 2021-03-24 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.371 DIREITO AO TRATAMENTO COMO IGUAL: DWORKIN E A LUTA DO NEGRO POR POLÍTICAS ÉTNICAS JUSTAS http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/279 <p><span style="font-weight: 400;">Os modelos de ações afirmativas são um tipo de política que visam, </span><em><span style="font-weight: 400;">grosso modo</span></em><span style="font-weight: 400;">, a promoção da diversidade e da distribuição de renda entre as camadas sociais para reduzir ou equilibrar questões de igualdade. Inserido nessa dinâmica social contemporânea, o objetivo central deste texto é analisar se o modelo de ação afirmativa, enquanto desdobramento da teoria liberal igualitária de Ronald Dworkin, consegue ser uma alternativa justificada para resolver o desequilíbrio social presente em sociedades racistas. Se minha hipótese estiver correta, defenderei que o modelo de ações afirmativas de acesso à educação para os negros é justificável e necessária para combater problemas como o racismo e a desigualdade social na sociedade contemporânea.</span></p> Thaís Alves Costa Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-24 2021-03-24 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.279 A “TERCEIRA MARGEM” EPISTEMOLÓGICA: O ENTRELUGAR DO GIRO DECOLONIAL NA TEORIA EDUCACIONAL http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/278 <p>Este artigo busca utilizar o conceito deleuziano de rizoma para estabelecer paralelos entre a visão da epistemologia dentro da educação e da pedagogia utilizando-se como base teórica os estudos de Andery (1988), Saviani (2007) e Moraes (2009) expondo a questão da ciência e da produção de conhecimento dentro da prática educacional pedagógica e chegar ao giro decolonial dentro da teoria educacional. A partir da análise do conto de Guimarães Rosa e da canção de Milton Nascimento e Caetano Veloso, ambos intitulados “Terceira Margem do Rio”, faz-se necessário abordar, inicialmente, como se dá a epistemologia e o que ela pretende abordar e responder; para que, consecutivamente, seja possível compreendê-la dentro da educação, alcançando a “risca terceira” do giro decolonial epistemológico no pensamento educacional. Com uma metodologia de entrecruzamento de ideias e concepções, conclui-se que alcançar a terceira margem do pensamento rizomático, a partir da perspectiva do giro decolonial, ajuda-nos a atingir um entrelugar da aliança.</p> Carolline Septimio Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-24 2021-03-24 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.278 FILOSOFIA AFRICANA: UM CONTEXTO DESCONTEXTUALIZADO PELO OCIDENTE http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/194 <p>O presente artigo se propõe a questionar o estatuto da filosofia ocidental a partir da percepção de que a filosofia africana foi vilipendiada pelo eurocentrismo e ressaltar nessa relação filosófica, o conceito do Ubuntu, considerado um dos termos fundadores da ética africana, representando uma práxis sócio-cultural, espiritual e política, sendo, portanto, um termo utilizado para conceituar a filosofia que permeia a convivência social coletiva. Enquanto uma ética comunitária, o Ubuntu assinala para o caráter complexo de uma filosofia relacionada à humanidade, conectando de forma biocêntrica, humanos e não-humanos, sensível e o inteligível concomitantemente, fato este que se choca com o conceito elegido pelo pensamento filosófico eurocêntrico. &nbsp;Para alcançar o objetivo pretendido será utilizado o método filosófico para revisar conceitos e a própria historia da filosofia no ocidente, através de pesquisa exploratória com fulcro bibliográfico e uma abordagem que parte da especulação filosófica e histórica, utilizando os principais nomes da filosofia africana e da história da filosofia no ocidente.</p> <p><a href="#_ftnref1" name="_ftn1"></a></p> Regina Coeli Araújo Trindade Negreiros Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-24 2021-03-24 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.194 RACISMO, MACHISMO E OPRESSÃO DE CLASSE: http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/246 <p>Este trabalho é de natureza bibliográfica e de revisão de literatura e tem por objetivo fazer uma reflexão sobre as reinvindicações sociais que estão na pauta de grupos que por vezes foram negligenciados por discursos hegemônicos da sociedade. As reinvindicação destes grupos buscam dar visibilidade a lutas por reconhecimento de direitos básicos das mulheres, das pessoas negras, da classe trabalhadora, e de outras vozes que são silenciadas pelo totalitarismo dos discursos hegemônicos. Buscaremos utilizar estudos de Stuart Hall, Homi Bhabha e Judith Butler, visando questionar a pretensa homogeneidade e estabilidade das categorias de cultura, etnia e gênero. A partir de uma compreensão de que tais categorias não são estanques, buscaremos questionar algumas vozes preconceituosas que se fundamentam na compreensão homogênea dessas categorias. Além disso, pretendemos apresentar o pensamento de Angela Davis como uma forma de unificar as reinvindicações de classe, etnia e gênero, como meio de dar mais consistência a luta daqueles que muitas vezes são excluídos do pleno exercício da cidadania.</p> José Cândido Rodrigues Neto Maria Claudia Coutinho Henrique Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-24 2021-03-24 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.246 NA ERA TECNOLÓGICA, EM VIAS DO ESQUECIMENTO: ESTUDO DA ATUAL SITUAÇÃO EDUCACIONAL DE ESTUDANTES DE ALGUMAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DA BAHIA, NO PERÍODO DA PANDEMIA COVID-19 http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/248 <p>Este escrito traz uma abordagem sobre a visão de alguns estudantes do ensino fundamental II e do ensino médio de escolas públicas do interior da Bahia, sobre &nbsp;como pensam as suas atuais situações educacionais em meio à pandemia causada pela COVID-19, motivo o qual as aulas presencias foram totalmente suspensas. Sobre o prisma das (im)possibilidades do acesso às TICs pelos estudantes,&nbsp; observamos&nbsp; o &nbsp;possível alargamento das suas autonomias educacionais, bem como impulsionamento &nbsp;&nbsp;de suas posturas critica reflexivas e, a partir destas, &nbsp;a busca pelo empreendimento de suas próprias aprendizagens escolares. Buscamos externar as dificuldades de aprendizado em tempos pandêmicos; as exclusões digitais, cujas discrepâncias tornaram-se mais evidentes mediante a crise ocasionada pelo coronavírus.&nbsp; A partir de abordagem qualitativa e atividade de escuta dos sujeitos colaboradores em seus lugares e contextos, utilizando o instrumento entrevistas on line, buscamos dialogar com alguns autores como (Lemos, 2015); (Nicolaci–da-Costa, 2009); (Lévy 1999); (Silva, 2011); (Freire, 2006); (Amiél, 2018) e com os estudantes,&nbsp; jovens e adolescentes colaboradores buscando traçar uma imagem da realidade tangente a partir da visão destes sujeitos.</p> <p><strong>Palavras -chave:</strong> &nbsp;Escola pública.&nbsp; Pandemia. Estudantes.&nbsp; Exclusão digital. Autonomia.</p> ELENILDA ALVES BRANDÃO Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-25 2021-03-25 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.248 AFRICANIDADE NAS ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE MANAUS: AVANÇOS E DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA EDUCAÇÃO INTEGRAL ANTIRRACISTA http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/240 <p><strong>Resumo:</strong> A Lei 10.639/03 depositou diante do universo docente o desafio de propalar o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana, numa perspectiva contrária a visão eurocêntrica predominante até então. Cabia às Secretarias de Educação subsidiar as escolas, o que exigia formação de equipes aptas ao processo, bem como compreensão da lei e mudanças nas concepções de currículo e práxis dos/as educadores/as. O presente artigo vem apresentar justamente a caminhada da Secretaria Municipal de Educação no Município de Manaus/SEMED/MANAUS quanto a inserção dos temas nas documentações. Apresenta a construção de uma Proposta Pedagógica Curricular/PPC, alinhada a lei. Contudo, traz a reflexão de que a mudança realizada na PPC é um avanço, mas não é garantia de disseminação de atitudes e conhecimentos necessários para a formação integral antirracista dos estudantes. A SEMED/MANAUS, reconhece que é necessário a mudança de postura dos educadores, por isso desde a implantação da referida PPC, realiza oficinas, formações e demais ações pertinentes a temática. Dessa forma conjectura-se que o trabalho dos/as professores tem caminhado na perspectiva da formação integral antirracista dos estudantes.</p> <p><strong>Palavras chaves:</strong> Lei 10.639/03. Escola. Currículo. Educação integral antirracista.</p> <p>&nbsp;</p> Soraya Monteiro Neves Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-25 2021-03-25 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.240 CIÊNCIA E TECNOLOGIA NA ANTIGUIDADE AFRICANA http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/373 <p>Este artigo apresenta uma investigação sobre as produções científicas e tecnológicas ocorridas na<br>antiguidade africana. Discute as várias realizações da ciência e tecnologia nas antigas civilizações do<br>Norte da África e da África subsaariana, como também a cultura e os costumes. Desmistifica a falsa<br>ideia de que a África não teve uma história nem teria produzido conhecimento nenhum relevante, além<br>de ter sido injustamente considerada como civilização obscura e atrasada. Através de pesquisas<br>relevantes de filósofos europeus, estadunidenses e africanos como Cheikh Anta Diop, Molefi Kate<br>Asante e Theophille Obenga abordadas neste trabalho, aponta-se aqui as contribuições<br>epistemológicas, científicas, filosóficas e culturais do antigo Egito e da África subsaariana. Assim<br>sendo, este trabalho explora a África real que existiu na antiguidade onde ocorreu desenvolvimento em<br>diversas áreas do conhecimento.</p> Nazito Pereira da Costa Júnior Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-25 2021-03-25 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.373 POLÍTICAS EDUCACIONAIS E ENSINO HÍBRIDO EM TEMPOS DE PANDEMIA E PÓS-PANDEMIA: RESSIGNIFICANDO A DOCÊNCIA NO CONTEXTO PANDÊMICO http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/374 <p>Estratégias pedagógicas adotadas pela professora de uma escola pública em Recife<br>mostram como é possível enfrentar os desafios advindos com a pandemia do COVID-19 em<br>prol de uma educação de qualidade.</p> Adriana Carvalho da Silva Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-25 2021-03-25 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.374 TRADUZINDO LORD ALFRED TENNYSON http://novo.revista.uepb.edu.br/REFIEDI/article/view/245 <p>Nosso objetivo aqui é o de expor uma tradução do poema <em>Ulysses </em>(1842), de Lord Alfred Tennyson (1809-1892). Uma tradução de <em>Ulysses </em>nos parece importante para termos mais uma fonte para investigar as relações entre estudos de gênero, história das mentalidades e representações literárias 1) na Antiguidade homérica e 2) numa relação dialética entre o tempo no qual o poema se passa e o tempo no qual ele é produzido, a Modernidade oitocentista.</p> Alexandre Bartilotti Machado Copyright (c) 2021 REVISTA LIBERTAÇÃO - A FILOSOFIA, A EDUCAÇÃO E SUAS INTERFACES https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-03-25 2021-03-25 2 1 10.48098/refiedi.v2i1.245